Sábado, 29 de Abril de 2006

O homem das cebolas ...

O "nosso povo"  tem por vezes coisas bastante interessantes, algumas delas vistas à distância, ficam como o Porto, mais refinadas com o passar do tempo.

Há coisas que se contam, que são meras histórias, contadas para entreter ou, parafraseando outras mas com nova roupagem, que no fim são na mesma para entreter.

Esta é verdadeira, e passou-se numa localidade entre Santiago e Beja.  Onde nesse tempo havia bichesa mais brava e doente que alguns adeptos "doentes" do "foot"...

Aconteceu um dia, logo a seguir ao 25A, em 74 ou 75. Um desses indivíduos passados do clima, que ainda agora há por aí, que gostam muito de dar nas vistas, mesmo que seja por algo sem interesse, mas varrido de todo!!! Julgando-se inteligente, um belo dia, depois de fazer a sementeira de um quarteirão de cebolas, mesmo junto à estrada, lembra-se de mostrar a sua destreza e faz um grande cartaz, tipo o espantalho que os lavradores fazem, para escorraçar os pardais e escreve em letras garrafais e encarnadas:  

"A terra é de quem a trabalha".

E ufano do seu enorme feito, prantou-o ali mesmo a meter-se com quem passava na curva da estrada.

O tempo passou célere e enquanto o diabo coça os tomatitos, as cebolitas estão a crescer a bom ritmo, dava gosto olhar para elas, pois a terra era mesmo de boa qualidade.

É bom dizer que este era mesmo daqueles que falava demais, ultrpassava o arado e a enxada, mas só de conversa, e teve a sorte de fazer aquela plantação vistosa. Já todo o mundo que ali passava, via a hora de o homem começar a sua colheita, pois via-se que as cebolas estavam mesmo a pedir ser retiradas da terra... Eis senão quando um belo dia de manhã cedo, as pessoas ao passar começaram a desconfiar dum letreiro que já não parecia o mesmo.

Ao repararem melhor, viram que era mesmo um novo e dizia uma outra verdade, que não foi nada do gosto do dono das cebolas, dizia assim;

"E as cebolas são de quem as colhe..."

Pois claro, alguém esperto, passou ali de madrugada e colheu as cebolas deixando esta recordação amarga ao homem que, conta a história, nunca mais quis armar-se em Xico esperto.

Moral da história? Cada um tire a sua, mas como na tropa, não nos devemos armar em espertos mas passar o mais despercebido e fazer aquilo que deve ser feito, nada de mal acontece...

Um grande fim de semana, como espero que seja o meu, lá pelas bandas do verde Norte, adoro aquele ar puro...

 

 

 


 


 


Sinto-me...: Fiquem bem
Sons musicais: Variada, boa

Rabiscado por > Paraquedista às 22:32
Link do post | Diz o que pensas | Sala de visitas

MISSÃO IMPOSSIVEL

POSTS RECENTES

"Concertinas no Minho"

FESTA DAS ROSAS - Vilar d...

FACEBOOK

2013 - VOTOS DE UM BOM AN...

BOAS FESTAS

Festa da cereja 2011 - Al...

O primeiro voo dos "meus ...

Os bébés paraquedistas...

Aviso sério...

Lua cheia em perigeu-19MA...

LINKS

pesquisar

 

Armazém Geral

Fevereiro 2018

Maio 2013

Dezembro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

subscrever feeds